ISSN (on-line): 2177-9465
ISSN (impressa): 1414-8145
Escola Anna Nery Revista de Enfermagem Escola Anna Nery Revista de Enfermagem
COPE
ABEC
BVS
CNPQ
FAPERJ
SCIELO
REDALYC
MCTI
Ministério da Educação
CAPES

Resultado da Busca - Total: 9

Comunicação entre mãe HIV+ e filho à luz da tacêsica em ambiente natural e experimental

Marli Teresinha Gimeniz Galvão; Ivana Cristina Vieira de Lima; Larissa de Fátima Pontes Aguiar; Nathália Lima Pedrosa

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2012; 16(1): 163 - 171

Resumo Download

A tacêsica é a forma de expressão da comunicação não verbal relacionada ao toque ou tato, desvelando-se como importante modo de expressão no relacionamento das mães com os bebês. Objetivou-se comparar a comunicação tacêsica entre mãe HIV positivo e seu filho, em ambiente natural e experimental, durante os cuidados maternos do banho e da troca. Filmagens dos cuidados foram realizadas nos dois ambientes e analisadas de forma descritiva por peritos em comunicação. Apesar das similaridades da utilização da tacêsica em ambiente natural e experimental, nos aspectos relativos à localização, intensidade e frequência do toque, a comunicação mediada pelo toque demonstrou ser executada de modo incipiente, sobretudo no ambiente natural. Assim incentiva-se orientar e motivar as mães para ampliar e incrementar os toques durante os cuidados com os filhos com vistas a estimular precocemente a ampliação do vínculo com seu filho e proporcionar o desenvolvimento cognitivo e relacional do bebê.

Palavras-chave: HIV-1. Criança. Comunicação. Enfermagem

 

Comunicação não verbal entre mãe e filho na vigência do hiv/aids à luz da tacêsica

Marli Teresinha Gimeniz Galvão; Ênia Costa; Ivana Cristina Vieira de Lima; Simone de Sousa Paiva; Paulo César de Almeida; Lorita Marlena Freitag Pagliuca

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2009; 13(4): 780 - 785

Resumo Download

Propôs-se analisar a comunicação não verbal entre mãe e filho na vigência do HIV/AIDS à luz da tacêsica (linguagem do toque) durante o desempenho dos cuidados maternos. Estudo exploratório desenvolvido em ambiente experimental em Fortaleza-CE no segundo semestre de 2007 com cinco díades mãe-bebê. Foram utilizados três recursos para a coleta de dados: questionário semiestruturado sobre a história de vida da mãe e da criança; filmagens de cuidados maternos (troca, banho, ninar, brincar e alimentar); e roteiro de análise das filmagens baseado na tacêsica. Identificaram-se 354 interações, cujas análises apontaram que o banho apresentou maior número de interações mãe e filho, havendo ainda prevalência entre os cuidados do toque de intensidade firme e o uso do toque instrumental. Conclui-se que as relações mãe-filho inseridas no universo do HIV devem ser continuamente debatidas com vistas à promoção de cuidado mais eficaz, e que os cuidados maternos são uma oportunidade para fortalecer os laços afetivos mediante o uso do toque, promovendo o desenvolvimento emocional e social satisfatório da criança.

Palavras-chave: Comunicação. HIV-1. Relações Mãe-filho

 

Estratégia acolhimento mãe-bebê: aspectos relacionados à clientela atendida em uma unidade básica de saúde do município do Rio de Janeiro

Maria Helena do Nascimento Souza; Thaiane Nascimento da Conceição Gomes; Elisabete Pimenta Araújo Paz; Celise Silva da Trindade; Regina Célia Carvalho Veras

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2011; 15(4): 671 - 677

Resumo Download

O presente trabalho é um estudo descritivo, que objetivou identificar as características sociodemográficas e de saúde de mães e as condições de saúde de crianças atendidas pelos enfermeiros na Estratégia de Acolhimento Mãe e Bebê em uma Unidade Básica de Saúde do Estado de Rio de Janeiro. Os dados foram coletados em 421 prontuários das crianças atendidas em uma Unidade Básica em 2009. Realizou-se a análise univariada dos dados com uso do software "Epi-info" versão 3.5. Os resultados mostraram que: 70,6% das mães estavam na faixa etária de 20 até 35 anos, 58,2% haviam realizado parto normal, 5,0% apresentaram alteração na cicatriz cirúrgica, e 23,8%, alteração nas mamas. O companheiro e a avó materna foram os membros da rede social que mais forneceram apoio no pós-parto. Com relação aos recém-nascidos 52,5% tinham até 7 dias de vida, 90,3% encontravam-se em aleitamento materno exclusivo, 16,2% apresentavam icterícia, e 3,8% apresentaram alteração no coto umbilical. Conclui-se que a avaliação do grupo escolhido proporciona informações importantes para que os enfermeiros possam apoiar eficientemente as mães nos cuidados com os recém-nascidos, o que contribui à formação do vínculo das mães com este profissional, além da adoção de práticas de promoção da saúde.

Palavras-chave: Saúde materno-infantil. Atenção primária à saúde. Relações mãe-filho. Enfermagem

 

Expressão não verbal do paciente no cuidado: percepção do enfermeiro em unidade cardiointensiva

Ana Maria Cunha Bax1; Sílvia Teresa Carvalho de Araújo2

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2012; 16(4): 728 - 733

Resumo Download

Este estudo trata da percepção de enfermeiros relativa à observação, à identificação e à análise da comunicação não verbal para traduzir a reação e o sentimento do paciente. Realizado em 2009 em um hospital no Rio de Janeiro com quatorze enfermeiros.
RESULTADOS: A comunicação não verbal foi citada no banho no leito (12%), pré-operatório (12%), pós-operatório (12%), admissão (12%), punção venosa (12%), visita familiar (8%), preparo de material (3%), dissecção venosa (3%), aspiração (3%), cardioversão (3%); 18% das enunciações não atendidas referem-se a situações de medo da morte (pré-operatório) e à incapacidade diante do abandono familiar. Os autores destacam que 7% dos pensamentos são representados por palavras, 38%, pela paralinguagem e 55%, pelos sinais corporais.
CONSIDERAÇÕES: o enfermeiro observa, identifica e analisa a CNV para traduzir a reação, o sentimento do paciente e as necessidades a serem atendidas pelo cuidado.

Palavras-chave: Enfermagem. Unidades de cuidados coronarianos. Comunicação não verbal.

 

Mãe e filho: os primeiros laços de aproximação

Rosiane da Rosa; Fernanda Espindola Martins; Bruna Liceski Gasperi; Marisa Monticelli; Eli Rodrigues Camargo Siebert; Nezi Maria Martins

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2010; 14(1): 105 - 112

Resumo Download

Estudo qualitativo exploratório-descritivo, realizado no Centro Obstétrico do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, de agosto a novembro de 2008, com o objetivo de identificar e analisar os sentimentos maternos expressados pelas mães durante o contato íntimo com os filhos, logo após o parto. Os dados foram coletados pela observação participante e entrevista semiestruturada com 11 mulheres e seus filhos. A análise foi realizada com o suporte da reflexão sobre a Teoria do Apego. Emergiram cinco categorias: a) Sentimentos na hora da expulsão: a espera ansiosa pelo choro do bebê; b) O recebimento do filho; c) Sentimentos quanto às respostas do filho à aproximação; d) A primeira separação; e e) Sentimentos sobre o acompanhante nas primeiras aproximações com o filho. Conclui-se que os primeiros contatos, na percepção das mulheres, são preponderantes para propiciar o reconhecimento entre mãe e filho, estimulando e incentivando o aprendizado das tarefas culturais da maternagem.

Palavras-chave: Afeto. Relações Mãe-Filho. Parto Humanizado. Recém-nascido. Enfermagem

 

Método Canguru: Práticas investigativas e de cuidado de enfermagem no modelo de adaptação de Roy

Márcia Borck1; Evanguelia Kotzias Atherino dos Santos2

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2012; 16(2): 263 - 269

Resumo Download

Trata-se de uma pesquisa convergente-assistencial, de natureza qualitativa, que teve como objetivos: investigar a experiência no processo de adaptação de seis famílias na terceira etapa do Método Canguru com recém-nascidos pré-termo e/ou de baixo peso, no período de outubro/06 a fevereiro/07; e implementar a consulta de enfermagem dentro dos quatro modos adaptativos da Teoria de Roy. A coleta de dados foi realizada através do processo de cuidar do modelo adaptativo de Roy, utilizando as técnicas de observação e da entrevista semiestruturada. O processo de análise ocorreu por meio da apreensão, síntese, teorização e transferência. Os resultados mostram a necessidade de fortalecer o papel da família na desospitalização e a comunicação entre a equipe interdisciplinar e rever critérios de alta da terceira etapa. Este estudo evidencia a terceira etapa como oportunidade para retroalimentar o sistema de cuidado e apoiar as famílias para sobreporem seus conflitos, preocupações, medos, inseguranças e o próprio comportamento imaturo do bebê.

Palavras-chave: Enfermagem neonatal. Recém-nascido prematuro. Recém-nascido de baixo peso. Relações mãe-filho

 

Percepção do idoso dos comportamentos afetivos expressos pela equipe de enfermagem

Teresa Cristina Prochet; Maria Julia Paes da Silva

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2011; 15(4): 784 - 790

Resumo Download

OBJETIVO:Identificar a percepção do comportamento da afetividade, pelo idoso hospitalizado, do cuidado recebido pela Equipe de Enfermagem
MATERIAL E MÉTODO: Estudo quantitativo, transversal e de campo desenvolvido com 28 idosos. Utilizou-se instrumento composto por 21 tipos de comportamento verbais e não verbais.
RESULTADOS: Os resultados positivos dos comportamentos verbais incluíram as ações de conversar (57,2%), orientar (60,7%), respeitar (50%), proporcionar segurança (44,6%) e demonstrar honestidade (96,4%). Os positivos da dimensão não verbal reuniram aspectos relacionados ao respeito (63,4%), tocar (46,4%), ouvir/escutar (23,2%) e olhar como expressão positiva (71,4%).
CONCLUSÃO: A maioria dos idosos percebeu como positiva a afetividade do cuidado recebido pela Equipe de Enfermagem no que se refere à dimensão verbal, sendo o comportamento mais evidente a demonstração da sinceridade. As atitudes não verbais de ser ouvido/escutado e tocado com delicadeza assumiram avaliação negativa. A afetividade nas ações de enfermagem são percebidos pelo idoso, e estes interferem na avaliação da qualidade assistencial.

Palavras-chave: Cuidados de enfermagem. Comunicação. Idoso. Enfermagem Geriátrica. Emoções

 

Preservação da fístula arteriovenosa: ações conjuntas entre enfermagem e cliente

Alessandra Guimarães Monteiro Moreira1; Sílvia Teresa Carvalho de Araújo2; Thalita Souza Torchi3

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2013; 17(2): 256 - 262

Resumo Download

O objetivo deste estudo foi identificar os cuidados dos clientes em tratamento hemodialítico com o local da punção para a preservação da fístula arteriovenosa. Estudo qualitativo, descritivo-exploratório, que incluiu 17 clientes do Hospital Universitário (RJ) com doença renal crônica de qualquer etiologia, maiores de 18 anos de idade, de ambos os sexos, tendo como acesso a fístula arteriovenosa há, no mínimo, seis meses. Como resultados, obteve-se que 100% dos entrevistados conhecem a necessidade de cuidar e manter a via de punção pérvia; 42% já tiveram algum tipo de intercorrência na fístula, destacando-se a dor no membro e a perda do frêmito; 29% realizam compressa de gelo em casa, após a hemodiálise; 17% afirmaram que, a qualquer acontecimento diferente ou anormal, conversam com a equipe médica e de enfermagem. Concluiu-se que a enfermeira que orienta o cliente para a preservação do acesso necessita perceber indícios não verbais que apontem fragilidades no desempenho de papéis para o autocuidado.

Palavras-chave: Enfermagem. Comunicação. Diálise renal. Fístula arteriovenosa.

 

Setores de cuidado à saúde e sua inter-relação na assistência domiciliar ao doente crônico

Raquel Pötter Garcia1; Maria de Lourdes Denardin Budó2; Stefanie Griebeler Oliveira3; Margrid Beuter4; Nara Marilene Oliveira Girardon-Perlini5

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2012; 16(2): 270 - 276

Resumo Download

Objetivou-se descrever a inter-relação e comunicação nos setores de cuidado à saúde sob a perspectiva de cuidadores familiares de adoecidos crônicos com doença incapacitante. Estudo qualitativo, descritivo e exploratório, realizado com 11 cuidadores familiares de pacientes adscritos em uma Estratégia de Saúde da Família localizada no município de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Os cuidadores familiares foram indicados pela equipe de saúde da unidade. A coleta de dados ocorreu de julho a setembro de 2010 e desenvolveu-se com entrevistas narrativas, orientadas por eixos norteadores. Da análise de conteúdo temática surgiram categorias relacionadas à comunicação e às relações interpessoais entre profissionais, cuidadores familiares e doentes, além das interfaces entre os setores de cuidado à saúde. Há necessidade de uma comunicação efetiva entre os setores de cuidado, de maneira que atuem conjuntamente, permitindo troca de saberes que auxiliem no enfrentamento do processo de doença.

Palavras-chave: Enfermagem. Doença crônica. Assistência domiciliar. Cuidadores. Comunicação.

 

 

© Copyright 2022 - Escola Anna Nery Revista de Enfermagem - Todos os Direitos Reservados
GN1